segunda-feira, 3 de setembro de 2007

Preciso comer alguém

Preciso comer alguém. Diferente.
Alguém que não seja só minhas amigas liberais;
nem algumas junkies ou então uma pin up bêbada da Funhouse.
Comer com toda a gula. Com carinho (violento, como diz a Clarah):
Morder os músculos. Sugar o lábio. Entrar.
Cavar a unhas a epiderme e o além dela. Subverter a pele.
Desmascarar o segredo do corpo e do que está além dele:
Decifrá-los
ou então devorá-los.
!Devorar! Sim, em todos os ângulos possíveis, a geometria da carne.
Com furor, intensidade. Comer os braços. O abraço das pernas e do que está além delas.

Mas também digerir os olhos.
Digerir ainda, as palavras. Cada letra da boca. Cada gesto – cinema mudo.
Degustar a luz. O riso. Comer qualquer fluido. Tocar –
Toda pulsação cardíaca no tato.
Engolir a aglutinação das auras no movimento dos cílios.
Mastigar, paulatinamente, a revelação epifânica do momento.
Comer alguém infinito que me traga a finitude de tudo.
Que me traga um curto-circuito as minhas sinapses.
Saborear a divisão dos nossos mundos. Desde o início:
Comer assim e assim me sentir comido.

3 comentários:

wilson gorj disse...

Isso me lembrou de um microconto presente no livro Sem Contos Longos. Aquele do monstro. Não me recordo agora a página. Só sei que foram felizes para sempre.

c. disse...

porra,
eu também.

pior é acharem que EU sou uma pinup bebada da funhouse. ninguém entende nada.

eu sou só uma bêbada. rara.

Xuxão Lennon disse...

Ainda bem que meus tempos nos montes Tibetanos me ajudaram a superar as psico-crisis que esse negócio causa...

Sexo né? a palavra certa?? sexo... sexo?? sexo!!

XP